NOTÍCIAS
Home Notícias ECONOMIA Ibovespa Futuro sobe apesar de coletiva de Trump sobre a China e em meio a PIB brasileiro; dólar cai a R$ 5,37

Ibovespa Futuro sobe apesar de coletiva de Trump sobre a China e em meio a PIB brasileiro; dólar cai a R$ 5,37

Pré-market registra perdas com a piora no noticiário internacional, que se conjuga aos impactos do coronavírus aqui

29/05/2020

SÃO PAULO – O Ibovespa Futuro abre em alta nesta sexta-feira (29) ignorando a onda de aversão a risco, que varre o mundo devido ao anúncio do presidente americano Donald Trump, de que iria fazer uma coletiva de imprensa para falar sobre a China. A informação veio em meio a uma escalada nas tensões entre as duas maiores potências globais depois que o Legislativo chinês aprovou uma lei de Segurança Nacional para a cidade de Hong Kong, que concentrou protestos contra Pequim no início do ano.

Não se limitou à China a elevação do tom de Trump. O líder dos EUA também investe pesado contra as redes sociais. Hoje ele voltou à carga no Twitter escrevendo que a rede “não fez nada sobre as mentiras e propagandas da China ou do partido Democrata de esquerda radical”. Na opinião de Trump, o Twitter e outras plataformas de comunicação atacam apenas republicanos e conservadores.

Ele ameaça revogar a Seção 230 da “Communications Decency Act of 1996 (CDA)”, segundo a qual nenhum provedor de internet ou plataforma pode ser responsabilizado por discursos difamatórios.

Por aqui, foi divulgado o Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre, que registrou uma contração de 1,50%, em linha com a mediana das projeções dos economistas compilada no consenso Bloomberg. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pegam o início dos impactos do coronavírus na economia brasileira.

Às 09h15 (horário de Brasília) o contrato futuro do Ibovespa para junho subia 0,72% a 87.245 pontos.

Já o dólar comercial tinha queda de 0,28%, a R$ 5,3685 na compra e R$ 5,371 na venda. O dólar futuro para junho subia 0,63% a R$ 5,309.

Câmbio

Na noite de quinta-feira, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que a autarquia estava preparada para atuar de mais intensa no mercado de câmbio, mas que o real passou a se valorizar.

“Nós fizemos intervenções maiores, até estávamos preparados em algum momento para fazer uma intervenção maior, acabou que o câmbio voltou recentemente um pouco”, disse em transmissão pela internet realizada pelo BTG Pactual.

No ano, o dólar acumula uma alta de 34% e na quinta-feira fechou a R$ 5,3812. No dia 13, chegou aos R$ 5,90.

Apesar de estar preparado para intervir, Campos Neto reforçou que o câmbio é flutuante.

O presidente do BC falou ainda que mesmo com os juros baixos, em 3% ao ano, a política monetária não está esgotada.

Fonte: www.infomoney.com.br

COMENTÁRIOS: Os comentários representam a opinião de seus autores, e não da União Geral dos Trabalhadores.