NOTÍCIAS
Home Notícias ECONOMIA Caixa diz estar preparada para pagar segunda parcela do auxílio emergencial

Caixa diz estar preparada para pagar segunda parcela do auxílio emergencial

Caixa Econômica Federal diz estar pronta para depositar a segunda parcela dos R$ 600, inicialmente prevista para 27 de abril. Mas o calendário permanece indefinido no Ministério da Cidadania. Defesa vai investigar o pagamento indevido a 189 mil militares

12/05/2020

Quatorze dias após a data marcada para o governo começar a pagar a segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600, sequer foi anunciado o calendário para o início da compensação aos brasileiros mais prejudicados pela crise econômica, causada pela pandemia do coronavírus. O atendimento não tem chegado à população. A taxa de rejeição é muito alta, pelos números divulgados pela Caixa Econômica Federal. No Cadastro Único, dos 32,1 milhões inscritos,  10,5 milhões foram aceitos (os outros estão “inelegíveis”). Pelos aplicativo e site, dos 44,9 milhões de pedidos processados, 20,3 milhões conseguiram.

Por meio de nota, a Caixa informou que “está preparada para o crédito da segunda parcela do auxílio emergencial e aguarda a definição de um novo calendário por parte do Ministério da Cidadania”. No entanto, destacou que a responsabilidade pela análise de quem está apto é da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev). De acordo com a Dataprev, 13,6 milhões de necessitados ainda estão fazendo ajustes no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e 10,7 milhões não atenderam os requisitos (alguns têm vínculo empregatício ou ganham outro auxílio do governo federal, como aposentadoria e pensão). Procurado pelo Correio, o Ministério da Cidadania não se manifestou até o fechamento desta edição.

Durante audiência pública remota do Senado Federal, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, destacou que 3,5 milhões de pessoas ainda não sacaram a primeira parcela do auxílio de R$ 600. “Dos 50 milhões aprovados para receber o benefício, 94% já receberam o dinheiro e 6% continuam com o valor no banco por algum motivo”, informou. Isso porque cerca de 7 milhões não conseguem usar o aplicativo sozinhos, não têm acesso e precisam de ajuda, admitiu.

Desde 9 de abril, início do pagamento, R$ 35,5 bilhões foram creditados para 50 milhões de pessoas e 94% dos beneficiários fizeram algum tipo de movimentação, disse Guimarães. A Caixa esclareceu, também, que não é necessário madrugar em filas. Todos as pessoas que comparecerem às agências 8 horas e 14 horas serão atendidas no mesmo dia.

Novo aplicativo

Para explicar por que muitas pessoas não conseguem acessar o sistema, o banco divulgou que uma nova versão do aplicativo. Segundo explicou a Caixa, os beneficiários que recebem pela poupança social digital precisam fazer a atualização na loja de aplicativos para ter acesso às novas funcionalidades. Além da alternativa para saque sem cartão, a nova versão permite maior número de acessos simultâneos. A capacidade inicial do aplicativo era em torno de 200 mil conexões simultâneas. Agora, foi ampliada para 500 mil conexões simultâneas.

A Caixa lembrou, ainda, que os beneficiados que optarem pelo o saque em espécie devem gerar um código autorizador (com validade de duas horas) pelo Caixa Tem e ir à agência ou casa lotérica para a retirada. Para o saque, é preciso apesentar o CPF e documento de identificação com informações de nome, data de nascimento, filiação, assinatura – com número, órgão emissor, data e prazo de validade. Serão aceitos Carteira de Identidade, Carteira Nacional de Habilitação (CNH); Registro Civil de Nascimento (RCN); Carteira de Trabalho e Previdência Social; carteira funcional de repartições públicas ou de órgãos de classe de profissionais liberais; e passaporte brasileiro, dentro do prazo de validade.

Seguro-desemprego tem alta de 22%

Os pedidos de seguro-desemprego cresceram 22,1% em abril de 2020 (748.484) em relação ao mesmo mês de 2019 (612.909), segundo dados do Ministério da Economia divulgados ontem. A maioria dos beneficiários é homem (57,1%), entre 30 a 39 anos (33,1%), com ensino médio completo (62,4%). Em relação aos setores econômicos, serviços saiu em primeiro lugar, com 41,6% das solicitações, seguido por comércio (27,7%), indústria (19,9%) e agropecuária (3,7%). São Paulo (217.247), Minas Gerais (85.990) e Rio de Janeiro (58.945) tiveram maior proporção de requerimentos presenciais. Pela internet, foram Amazonas (98,9%), Acre (98,5%) e Rio de Janeiro (97,8%). Entre janeiro e abril deste ano, 2.337.081 trabalhadores formais recorreram ao seguro-desemprego, o que representa alta de 1,3% em comparação com o acumulado no mesmo período de 2019 (2.306.115).

Fonte: www.correiobraziliense.com.br

COMENTÁRIOS: Os comentários representam a opinião de seus autores, e não da União Geral dos Trabalhadores.