NOTÍCIAS
Home Notícias ECONOMIA Beneficiários dos R$ 600 não conseguem receber segunda parcela

Beneficiários dos R$ 600 não conseguem receber segunda parcela

Mudança promovida pelo governo para pagar o auxílio emergencial, com criação da conta poupança social digital, dificulta acesso ao dinheiro e possibilita mais fraudes

Desde que o governo modificou a forma de pagamento do auxílio emergencial, com a criação da conta poupança social digital, várias pessoas que receberam a primeira parcela não estão conseguindo acessar o dinheiro da segunda. Na maioria, são microempreendedores individuais (MEI), cadastrados no Cadastro Único (CadÚnico) e autônomos que indicaram uma conta já existente para receber o auxílio emergencial. Uma olhada nos sites de reclamação e também no do próprio aplicativo Caixa Tem, necessário para transferir o dinheiro ou pagar boletos, mostra as falhas da nova modalidade de pagamento, que está obrigando as pessoas a irem às agências.

Os exemplos são variados. Desde quem tentou se cadastrar no aplicativo e descobriu que alguém já tinha feito isso em seu lugar, até quem pagou boletos e não teve as contas saldadas. O primeiro caso é o mais comum. Muitas pessoas que receberam a primeira parcela em uma conta já existente e estavam aguardando a transferência automática da poupança digital para a conta corrente de outro banco — que os canais digitais da Caixa indicavam que ocorreria a partir do dia 10 — até hoje não viram a cor do dinheiro.

É o caso de Ana Oliveira, 48 anos, informal da área de eventos que há três meses não tem renda. “A primeira parcela entrou na minha conta direitinho. Mas inventaram essa poupança digital e eu estava esperando a transferência automática prometida a partir do dia 10. Como não ocorreu, fui ver o que tinha acontecido”, afirmou. Ela contou que teve que baixar o aplicativo Caixa Tem e, ao se cadastrar, descobriu que seu CPF já estava cadastrado com outro email. “Não tenho como recuperar a senha, pois é enviada para um email que desconheço”, disse.

Ao procurar os canais digitais da Caixa, a trabalhadora informal, além de esperar horas e ser redirecionada várias vezes, não conseguiu ajuda. “Sou grupo de risco, tenho problemas respiratórios, e terei de ir à agência, pois ligando para uma delas, me informaram que pode ter ocorrido fraude”, acrescentou.

O mesmo ocorreu com Rafaela Melo, que se cadastrou no dia 13 de junho no aplicativo e não conseguir recuperar a senha, pois o email também era diferente do cadastrado. “Tento entrar para trocar o email em outra função para descobrir o que aconteceu e não aparece nada. Diz que está temporariamente indisponível”, escreveu ao avaliar o aplicativo da Caixa com uma estrela.

Outra reclamante, Milly Torres, conta que está programado para cair na sua conta apenas R$ 2. Verificou que ao tentar acessar o Caixa Tem surge a mensagem de que já tem cadastro. “Quando tento recuperar a senha, uma mensagem de recuperação é enviada para um email cadastrado que não conheço. É como se alguém tivesse utilizado meu benefício e apenas o que sobrou, R$ 2, vai cair na minha conta. Ou seja, minha conta digital no Caixa Tem foi clonada”, informou.

Pessoas que pagaram boletos com o aplicativo não tiveram as contas saldadas, como mostra reclamação feita dia 25 de maio. “Efetuei um pagamento de um boleto de 600,00 reais no app caixa tem (do auxílio emergencial), porém esse boleto até o presente momento ainda consta em aberto e o dinheiro foi debitado no mesmo dia do app caixa tem”, lamentou o beneficiário.

Dezenas de reclamações estão disponíveis nos canais da própria Caixa e também em sites como o Reclame Aqui ou de avaliação do aplicativo. As queixas apontam que a modalidade escolhida pelo governo para o pagamento da segunda parcela está deixando os brasileiros desamparados, sem ter para quem reclamar, pois os canais da Caixa estão sempre congestionados. As pessoas estão tendo que ir às agências. Sendo que, muitos, ao fazerem isso, descobrem que alguém já sacou seu benefício.

Outro lado

Procurada pelo Correio e informada dos casos relatados, a Caixa mandou a seguinte nota: “A Caixa informa que a área de segurança do banco realiza o monitoramento e mapeamento de ocorrências em colaboração com os órgãos de segurança pública competentes com o objetivo de coibir ocorrências de fraude. Contestações podem ser formalizadas pelo beneficiário eventualmente prejudicado em qualquer agência da Caixa. Após análise, nos casos em que for comprovado saque fraudulento, o beneficiário será ressarcido.”

O banco também informou que, caso o usuário esqueça ou não reconheça a senha do Caixa Tem, é possível pelo aplicativo remover o cadastro e refazer o cadastro gerando uma nova senha. “Para isso, basta clicar na opção ‘problemas com cadastro’ na tela do login do aplicativo”, disse, em nota. A operação, contudo, foi realizada sem sucesso por alguns dos reclamantes. O banco ainda informou os vários canais digitais, citados pelos beneficiários como indisponíveis e sem eficácia na resolução dos problemas.

“Para auxiliar no atendimento aos beneficiários, a Caixa disponibiliza os seguintes canais: Central 111, que já registrou até o momento mais de 255,23 milhões de atendimentos sobre o auxílio emergencial; o aplicativo Caixa Auxílio Emergencial; o site auxilio.caixa.gov.br. No site, é possível ainda encontrar tutoriais que esclarecem as principais dúvidas dos beneficiários. O site auxilio.caixa.gov.br superou a marca de 1,23 bilhões de visitas.”

Fonte: www.correiobraziliense.com.br / postado em 16/06/2020 17:35

COMENTÁRIOS: Os comentários representam a opinião de seus autores, e não da União Geral dos Trabalhadores.